Famosa por Acaso » Primeiras partes do livro
“Existe uma Luna dentro de toda garota. Afinal, que garota não quis fugir ao ter seu coração partido?”

Eu sei que esse livro chegará exatamente aos corações certos! Como uma mensagem de esperança ou como uma brincadeira do destino, para te fazer acreditar no amor que Deus tem por todas as criaturas, especialmente quando você acha que ele te abandona. Dedico para todas as minhas fãs… Eu dedico a Aron… Nos primeiros dias achei que fosse morrer… No quinto dia achei que fosse enlouquecer, depois eu quis me internar em um convento, pegar um carro e sair sem rumo, ou mudar de País… Mas no fim de tudo isso, percebi que não importa para onde eu fosse, o meu coração continuaria sendo seu.
Então eu finalmente escrevi para você!

Trechos do capitulo I

Mas se existe algo sobre que Deus costuma carregar as pessoas nos momentos de dor, ele poderia estar me carregando no colo agora?

Talvez o inverso de odiar muito alguém, seja amor… Eu sei que “Ódio” É uma palavra forte, mas às vezes você ama tanto alguém que chega a odiar. Porque um simples alguém pode te deixar fraca? Aparentemente você pode ser uma montanha, mas apenas uma única pessoa tem o poder de te desmoronar… Todo mundo conhece alguém com esse poder, e o meu conselho é: Fuja se afaste, e nunca mais a veja!

Eu lamento ter aprendido isso tudo tarde demais. Parte de mim esta em busca de um milagre, então, enquanto sobrevoou acima das estrelas nessa madrugada, esperando ser salva por astronaves ou cometas, mais perto de Deus… “Só estou em busca de uma nova história em outro lugar do mundo, acreditando que tudo vai melhorar, aqui…’’

Dez horas de viagem acordando sonolenta somente com o chamado da aeromoça para as refeições. Quem nunca desejou morrer uma vez na vida? Eu dormi com esperança do avião cair ou de não acordar nunca mais, mas sempre acordava com aquela mãozinha no meu pescoço: “Senhora deseja comer um sanduíche de patê, ou algo para beber? ’’

A dor era tanta, que às vezes a minha vontade era de pedir para ela, por favor, pegar uma arma e resolver todos os meus problemas de uma vez. Não sou do tipo dramática, mas se você amou pelo menos uma vez na vida, pode saber o que estou falando. Um dia alguém chega e te apresenta um mundo novo, cheio de surpresas, possibilidades e promessas, faz você se sentir importante, e de repente essa pessoa parte seu coração…

E isso é o mais apavorante, o amor é sem garantias… Um dia ele pode dar certo, e no outro tudo dentro de você começa a sangrar. Você sente que realmente tem vida, porque todos seus órgãos batem com força para que você possa senti-los. Um nó na garganta, gelo no coração de um inverno antártico…

Então, se você fechar os olhos por um instante, pode se sentir no meio do vazio do mundo. E as lagrimas são a única companhia… Depois de tanta dor, é como seu corpo e alma se anestesiasse, e o próprio Deus te pegasse no colo e te levasse para casa dele. Você se sente meio morta, e aquela barba branquinha começa a roçar em sua testa, e as mãos grandes do tamanho do universo, cobrem todo o teu corpo, tocam no coração, e pouco a pouco a esperança volta a nascer de novo.

“Senhores passageiros acabamos de aterrissar em New York, são 19 horas e 23 minutos. O clima é de um frio intenso, e pouca geada. Preparem os seus casacos e luvas e sejam bem vindos a cidade que não dorme.”

* Trechos de alguns outros capítulos:

Nunca sonhei em morar em uma cidade grande ou fora do País como a maioria das garotas do interior sonham. Depois de se formar na escola, sempre quis morar na minha fazenda cuidando dos animais, no meio do silencio. Organizando as minhas pinturas e fazendo exposições dos meus trabalhos de uma maneira simples. Mas às vezes algumas escolhas se deslizam no meio do caminho sem que você tenha o menor controle…

E New York foi a minha escolha porque eu gostaria que as luzes e que o barulho Times Square fizessem tanto barulho na minha cabeça que por um momento nada mais existisse.

Não acreditei quando aquele antigo, ou melhor, quando aquele amor reapareceu. Aron viajava pelo mundo nos últimos três anos para treinar e participar de campeonatos de Turfe. Estava com 18 anos e começando uma carreira promissora, com um numero digno de troféus e medalhas, saia em algumas revistas, e continuava delirando com o coração das garotas do colégio quando ia para escola realizar provas. Já que ele estava nos últimos anos se dedicando aos torneios, entrou em acordo com o colégio de conciliar estudos com as viagens, então realizava as atividades e provas propostas pelo colégio semestralmente. Assim acaba o encontrando somente se surpresa.

Ele não merecia nenhum dos meus sentimentos… Precisa escolher meus pensamentos tirar ele da minha vida, mas convivendo com ele era difícil. E foi ali naquele momento que decidi que precisava recomeçar a minha vida longe de todos. E NY foi a minha escolha: destino ou impulso?! Ainda estou tentando descobrir.

Atendi com certa aflição:

– Senhora Luna, tem uma limusine esperando você – diz o recepcionista.

– Uma limusine? Perguntei novamente achando que ele estava ligando no quarto errado.

– Sim, a pedidos de Ian Harris.

Se fosse possível alguém morrer de susto, eu teria morrido àquela hora. Olhei no relógio e era 19:50, ele realmente tinha levado a serio o nosso encontro. Um sorriso enorme modelou o meu rosto. Não sabia o que responder ao recepcionista, mas por um instante só lembrei-me de Cinderela. Ela era a minha princesa favorita dos contos de fadas, porque diferente de todas, ela não nasceu princesa, mas se tornou uma.

– Senhora Luna? O que eu digo a ele? A voz doce do outro lado da linha gesticula me fazendo responder imprevisivelmente.

– Diga que já estou indo. Falei naqueles segundos de coragem insana. Era o tipo de chance que aparece uma vez na vida e temos que agarrar com força.

Quando me aproximo dele para fazer uma observação sobre a madrugada Ian move seus braços me prendendo-me na vidraça o olho assustada e então ele me beija como se estivéssemos flutuando pela cidade.

Beijar a alma de alguém é possível? Quando o meu beijo não era direcionado aos lábios de Ian, e sim como se eu beijasse onde a vida dele começasse talvez muito antes do que o ventre de sua mãe. Era possível beijar alguém com a mesma sensação de que aquele beijo já aconteceu em alguma outra vez e em um outro tempo. Eu já conhecia aquele fogo e entrega de quando meu corpo estava entrelaçado junto ao dele, ele era alguém que eu já conhecia, se de fato isso existisse mesmo.

As vendas do livro começam no dia 30 de novembro às 13h.